É preciso manter o diálogo

A esposa do rabino Iaakov era considerada por todos os seus amigos como uma mulher muito difícil; por qualquer pretexto iniciava uma discussão.
Iaakov, porém, nunca respondia as provocações.
Até que, no casamento de seu filho Ishmael, quando centenas de convidados comemoravam alegremente, o rabino começou a ofender sua mulher - mas de tal maneira, que todos na festa puderam perceber.
- O que aconteceu? - perguntou um amigo de Iaakov, quando os ânimos serenaram. - Por que abandonou seu costume de jamais responder às provocações?
- Veja como ela está mais contente - sussurrou o rabino.
De fato, a mulher agora parecia estar se divertindo com a festa.
- Vocês brigaram em público! Não entendo nem sua reação, nem a dela ! - insistiu o amigo.
- Faz alguns dias, entendi que o que mais perturbava minha mulher era o fato de eu ficar em silêncio. Agindo assim, eu parecia ignorá-la, distanciar-me com sentimentos virtuosos e fazê-la sentir mesquinha e inferior. - Já que a amo tanto, resolvi fingir perder a cabeça na frente de todo mundo. Ela viu que eu compreendia suas emoções, que era igual a ela, e que ainda quero manter o diálogo.